Piauí investe na saúde pública

Share

A atual gestão do Governo Estadual do Piauí beneficia a população com máquinas para exames, aquisição de ambulâncias e judicialização de medicamentos.

A população piauiense recebe benefícios na área da saúde que visam melhorar a qualidade de vida no Estado. Os investimentos são do Governo Estadual e vão desde a implantação do Programa Amigos do Peito, entrega de ambulância ao município de Curimatá, até a judicialização de medicamentos para facilitar o acesso aos remédios.

PROGRAMA AMIGOS DO PEITO

A população da região de Corrente, município ao sul de Teresina, será beneficiada com mais uma ação da Secretaria de Estado da saúde: a implantação do Programa Amigos do Peito, no formato fixo, que vai realizar exames de mamografias no Hospital Regional Dr. João Pacheco Cavalcanti.
Em Corrente, o Hospital Regional recebeu equipamento de sistema de radiologia computadorizada CR (mamógrafo), adquirido com recursos do Governo do Estado tesouro e terá capacidade para realizar até 40 exames ao dia.
O programa Amigos do Peito já realizou, de forma itinerante, mais de 4.000 exames de mamografia, inclusive atendendo um homem. Em Corrente, quando esteve em 2015, foram realizados 471 exames, contemplando mulheres dos municípios de Cristalândia, Riacho Frio, Parnaguá e São Gonçalo.
Agora, na segunda etapa do Programa, a Secretaria está dotando os hospitais regionais com equipamentos para que a mamografia seja realizada de forma fixa nos hospitais do Estado. A primeira unidade a ser dotada com equipamentos foi o Hospital Regional de Campo Maior que passa a ter capacidade para realizar diariamente 30 procedimentos.

AMBULÂNCIA EM CURIMATÁ

O município de Curimatá também será beneficiado com mais uma ação: aquisição de uma ambulância para o Hospital Regional Júlio Borges. A ambulância para simples remoção, com investimento do Governo do Estado no valor de R$142 mil, será entregue em Corrente, durante solenidade com o governador Wellington Dias.
Além do Hospital de Curimatá, os hospitais de Corrente, de São Raimundo Nonato, de Bom Jesus, de Piripiri, de Uruçuí, de Esperantina, de Oeiras, de Campo Maior e de Valença receberam cada um, uma ambulância, totalizando dez veículos.

Aniversário da Maternidade Dona Evangelina Rosa

Inaugurada no dia 15 de julho do ano de 1976, a Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER) completou 40 anos de existência, prestando atendimento às parturientes e neonatais de alto risco de todo o Piauí e estados vizinhos.
Por ano, a MDER realiza aproximadamente 11 mil partos e, segundo o diretor da maternidade, José Brito, essa é uma das unidades de saúde de maior importância para o estado. “É na Maternidade Dona Evangelina Rosa que, basicamente, começa a vida de grande parte dos teresinenses”, comenta o diretor.
A maternidade contempla uma estrutura mais humanizada e mais adequada no que diz respeito às normas de recomendação que existe para o bom atendimento e segurança das pacientes que fazem uso deste serviço.
A Maternidade Dona Evangelina Rosa vive momentos de conquistas e comemorações, a implantação da Rede Cegonha, que visa humanizar e reduzir os índices de mortalidade materna e neonatal, com foco no pré-natal, e de ampliação do programa “Mãe Canguru”, tem contribuído significativamente para a recuperação de bebês prematuros.
O Banco de Leite da MDER é um dos mais atuantes do Brasil, prova disso é que a instituição possui o título de “Hospital Amigo da Criança”, concedido pelo Unicef em reconhecimento às boas práticas de incentivo ao aleitamento materno.
A MDER conta com equipes completas 24 horas por dia, mobilizando obstetras, pediatras, anestesistas, fisioterapeuta, psicólogo, assistente social, nutricionista e enfermeiros com especialização em obstetrícia e pediatria. Estes profissionais oferecem atendimento às gestantes de alta complexidade

JUDICIALIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS

O secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa, se reuniu com o presidente do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), o desembargador Erivan Lopes, para tratar sobre a judicialização de medicamentos e o impacto que isso tem gerado na saúde.
Em reunião, foi acordado que a Secretaria da Saúde, por meio da Unidade de Assistência Farmacêutica, fará um levantamento dos medicamentos com maior número de demandas judiciais e que uma comissão composta por representantes do Tribunal de Justiça, Defensoria Pública do Estado (DPE-PI), Procuradoria Geral do Estado (PGE) e Secretaria irão avaliar e definir as competências dos governos Federal, Estadual e Municipal.
“Queremos facilitar a vida do cidadão, que é ter o acesso mais rápido ao medicamento sem que percorrer esse trâmite judicial como vem acontecendo. Então, a ideia é procurar os medicamentos que são mais demandados para que possamos definir os que são de responsabilidade estadual, municipal e da União. Os que foram de responsabilidade estadual deverão estar regulamentados para ter uma dispensação de forma administrativa”, explicou Costa.
O desembargador ressalta que além de agilizar a distribuição dos medicamentos, um dos objetivos é “diminuir quantidade de processos que são trazidos ao judiciário. Esse grupo vai elaborar um documento e em 30 dias voltamos a nos reunir”.
Também estiveram presentes na audiência representantes da Procuradoria Geral do Estado (PGE), Defensoria Pública do Estado do Piauí (DPE-PI) e do Ministério Público do Estado do Piauí (MP-PI).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *