Pandemia é agravada com desvio de verbas no Maranhão

Share

Segundo a Polícia Federal dinheiro do Fundo Nacional de Saúde destinado a salvar vidas no combate ao corona vírus (covid-19) foi parar no bolso de uma organização criminosa

No momento em que se notifica mais 2.698 pessoas infectadas pelo coronavírus no Maranhão, atualizando para 52069 casos confirmados em laboratório, nesta terça feira, 09, a situação do Estado é agravada ainda mais por indícios de desvios de verbas destinadas ao combate a pandemia em alguns municípios maranhenses.

Está sendo investigado pela Polícia Federal e a Controladoria Geral da União (CGU) um esquema de superfaturamento na compra de 320 mil máscaras de proteção nas cidades de São Luís e São José de Ribamar.

Na operação denominada “Cobiça Fatal” foi descoberto que a Secretaria Municipal de Saúde pagou R$ 9,90 por uma máscara que poderia ser comprada no mercado por R$ 3,17. A compra foi feita sem licitação de uma empresa fantasma.

Foram cumpridos três mandados de prisão temporária, 14 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de bens e bloqueio de contas bancárias dos envolvidos, cujo nomes não foram revelados. Servidores públicos e empresários laranjas estão no foco da investigação.

A operação investiga ainda possíveis fraudes em processos licitatórios das empresas revendedoras de insumos hospitalares superfaturados nos municípios de Timbiras e Matinha. A investigação diz que já sabe que a principal empresa investigada também já teria formalizado contratos, após dispensa de licitação, para fornecer insumos para o combate a COVID-19 com os municípios de Icatu, Cajapió, Lago do Junco e Porto Rico do Maranhão.

A crise epidemiológica veio para mostrar as fragilidades do Sistema Único de Saúde no Maranhão e sua ineficiência em oferecer um serviço de qualidade a população. A este problema soma – se ainda a corrupção e a falta de autonomia de muitos secretários de saúde dos municípios para resolver suas demandas.

Dentro desse contexto fico nítido que a saúde não é para todos e sobram problemas na hora do cidadão conseguir atendimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *