Atenção mulherada! saiba como combater a TPM

Primeiramente é importante deixar claro que se sua Tensão Pré Menstrual (TPM) for bem severa, o recomendável é procurar , um médico o mais rápido possível para descobrir qual é a causa desse desequilíbrio hormonal. Mas, se seu nível de TPM é moderado ou mais fraco, que tal experimentar algumas dicas naturais para amenizar os sintomas?

Os sintomas da TPM (que vão desde a depressão ao ganho de peso ou sensação de inchaço) variam de mulher para mulher. Duram geralmente entre 5 a 10 dias antes da menstruação. Atualmente, acredita-se que a função fisiológica do ovário seja a causa das alterações neuropsicoendócrinas que interferem tão drasticamente na vida das mulheres.

Estilo de vida

Manter um estilo de vida saúdável vai melhorar muito seu bem-estar em geral, inclusive os sintomas da TPM.

Uma boa alimentação, associada ao consumo de frutas nesse período, deve ser intensificado. A quantidade de água ingerida também deve ser generosa e a redução no consumo de sal, açúcar, cafeína e álcool também podem ajudar em problemas como na retenção de líquidos, irritabilidade e cólicas. Em relação as atividades físicas, durante a prática, há liberação de endorfinas, causando sensação de bem-estar. Portanto, movimente-se! Caminhadas ao ar livre, especialmente em lugares em contato com a natureza são altamente benéficos.

Dormir bem e evitar o estresse também devem fazer parte desse estilo de vida mais saudável.

Vitaminas e Minerais 

*Cálcio e Vitamina D: Uma dieta rica em cálcio e vitamina D podem dar um “chega-pra-lá” na tensão pré-menstrual. A dupla diminui a contração muscular do útero e a retenção de líquidos, aliviando cólicas, dores nas costas e o inchaço. Além de tomar sol (ou fazer suplementação de vitamina D), abuse do gergelim e vegetais verde escuros.

*Vitamina E: A vitamina E pode aliviar sintomas como ansiedade e sensibilidade mamária entre outros. Por ser antioxidante, recomenda-se o consumo de alimentos fonte de vitamina E. Alimentos: germe de trigo, nozes, carnes, amendoim, óleos vegetais, ovos.

*Magnésio: O magnésio também está envolvido na atividade da serotonina e de outros neurotransmissores, e sua deficiência pode amplificar os sintomas da TPM. Alimentos fontes: leite, leguminosas, cereais integrais, vegetais e folhas verde escuras.

*Vitamina B6: A vitamina B6 atua na formação de serotonina e dessa forma proporciona melhora nos sintomas de alterações de humor. Por isso, indica-se que se atinja as recomendações diárias desta vitamina. Alimentos fontes: fígado, ovos, soja, aveia, farelo de trigo, batata, germe de trigo, cenoura, amendoim, nozes, etc.

Tratamentos naturais

Chás diuréticos são excelentes indicações para ajudar a aliviar o inchaço e também alguns ajudam a acalmar (camomila, hibisco, erva-doce e chá verde).

A erva-de-São-João ajuda a aliviar a insônia e melhora a depressão.

Outra erva interessante é o vitex agnus-castus, usado para aliviar os sintomas da TPM há centenas de anos. Este arbusto originário da região mediterrânea é utilizado na medicina popular como chá para re-equilíbrio hormonal, contra insônia e a ansiedade.

Óleo de Prímula

O óleo de prímula é um dos medicamentos naturais que tem efeitos confirmados no combate aos sintomas da TPM. Ideal para amenizar dores nas mamas, e outros sintomas desagradáveis. Além de permitir o alívio dos desagradáveis sintomas como irritabilidade, mau humor, depressão, dores e inchaços nos seios, ele não tem os inconvenientes causados por tratamentos à base de anti-inflamatórios e antidepressivos.

Esse efeito se deve ao linolênico, que funcionam como intermediários nas sínteses de outras substâncias reguladoras dos hormônios sexuais femininos. Essa propriedade de regulador hormonal do óleo de prímula ameniza os sintomas da TPM e ele ainda possui um ótimo efeito sobre a pele, controlando a oleosidade e mantendo sua elasticidade.

 

Dia nacional de luta pelos direitos das pessoas com Doenças Falciformes

A Doença Falciforme (DF) é uma das doenças hereditárias mais comuns no mundo. A mutação teve origem no continente africano e pode ser encontrada em populações de diversas partes do planeta, com altas incidências na África, Arábia Saudita e Índia. No Brasil, devido à grande presença de afrodescendentes, que é uma das bases da população do país, a DF está no grupo de doenças e agravos relevantes. Sua principal característica é a alteração das hemácias (glóbulos vermelhos do sangue). Essas células alteradas tomam a forma de foice (daí o nome falciforme) e não circulam facilmente pelos vasos sanguíneos. Esse bloqueio na circulação impede a chegada do oxigênio aos tecidos, o que desencadeia uma série de sintomas. As pessoas com doença falciforme podem apresentar anemia crônica e episódios frequentes de dor severa, decorrentes da má circulação.

A anemia falciforme tem cura?

Estima-se que 25 mil a 50 mil pessoas tenham a doença no Brasil, que apresenta alta morbidade e mortalidade precoce. A doença se manifesta, na maioria das vezes, após os seis meses de vida do bebê, mas o diagnóstico deve acontecer na primeira semana de vida, como é estabelecido no Programa Nacional de Triagem Neonatal/PNTN, por meio do “Teste do Pezinho”. Todos os medicamentos que compõem a rotina do tratamento estão normatizados e são distribuídos gratuitamente no SUS. A vacinação estabelecida no calendário nacional também é outro importante fator de redução da mortalidade infantil por infecções, pois as crianças com doença falciforme possuem um risco aumentado em 400 vezes em relação à população em geral. Estudos recentes com células-tronco demonstraram bom prognóstico para o tratamento da anemia falciforme, porém o risco ainda é grande e ainda está em fase experimental. Outras condutas terapêuticas ainda estão sendo estudadas, como a hidroxiuréia.

Avanço

A partir de 2015 as pessoas com Doença Falciforme passaram a contar com uma nova opção para o tratamento, com possibilidade de cura. O Ministério da Saúde publicou em 1º de julho a Portaria SCTIE/MS nº 30/2015, que incorpora ao Sistema Único de Saúde (SUS) o Transplante de Células Tronco-Hematopoéticas (TCTH) entre parentes a partir da medula óssea, de sangue periférico ou de sangue de cordão umbilical. Estudos já demonstravam um aumento na sobrevida de dois anos em 90% dos casos transplantados e em outros foi evidenciado que pessoas com doença falciforme deixaram de utilizar a morfina para o controle da dor após o transplante. A novidade foi incorporada pelo Ministério da Saúde por indicação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), após ampla discussão com diversos segmentos da sociedade por meio de consulta pública.

Outro avanço foi a implantação do sistema informatizado Hemovida Web – Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias – HWDFH que foi desenvolvido com o objetivo de sistematizar informações, permitindo o monitoramento da doença falciforme e contribuindo para o planejamento das ações da Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme, possibilitando uma melhor organização da atenção a essas pessoas.

Doença Falciforme é contagiosa?

A Doença Falciforme é passada através da herança genética. A herança é passada dos pais aos filhos, através dos genes, contidos no DNA. Recebemos a metade de nossa herança genética do pai, através do espermatozoide e, a outra, da mãe, através do óvulo e estas metades se unem durante a fecundação, compondo a informação genética da criança. Por tanto, a Doença Falciforme não se pega por contato, transfusão ou contato sexual.

Fonte: Ministério da Saúde

 

Saúde vai reincluir medicações oncológicas e hospitalares em lista do SUS

A lista padroniza os medicamentos indicados para a assistência no SUS. Uma versão é publicada a cada dois anos, com a inclusão de medicamentos que foram incorporados nesse período

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (25) que vai reincluir medicações indicadas para a assistência hospitalar e oncológica na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), do Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo a pasta, eles estavam fora do rol desde 2010. Além disso, para 2018, a Rename será modernizada e estará disponível em uma ferramenta online para consulta de gestores, profissionais de saúde, usuários e órgãos de controle do país.

Com a reinclusão, a Rename contará com, no mínimo, 1.098 medicamentos e insumos; a última lista tinha 869 itens. Entre os medicamentos estão anestésicos e adjuvantes, antimicrobianos, antídotos, além de medicamentos oncológicos e para nutrição parenteral e parto. A proposta foi construída após análise técnica com base na indicação e uso desses fármacos no país e no mundo. Segundo o ministério, especialistas avaliarão a nova lista e poderão propor alterações. A Rename padroniza os medicamentos indicados para a assistência no SUS. Uma versão da lista é publicada a cada dois anos, com a inclusão de medicamentos que foram incorporados ao SUS no período. Essa versão da Rename 2017 será apresentada na segunda-feira, durante o 8º Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica no SUS, em Maceió (AL). A nova Rename, já ampliada e publicada online, estará disponível até o final deste ano.

Transparência

A nova lista trará os medicamentos divididos por níveis de atenção e cuidado: atenção básica, atenção especializada ambulatorial, atenção hospitalar e oncológica. Nas últimas edições, a Rename atendia a critérios técnicos do Ministério da Saúde de acordo com o financiamento da assistência farmacêutica, dividida por: básicos, estratégicos e especializados. Os medicamentos da lista também virão com a indicação de onde eles podem ser encontrados e qual órgão é o responsável pela sua aquisição (União, Estados ou municípios).

Segundo o ministério, para os profissionais de saúde, a nova relação vai facilitar a indicação de tratamento adequado além de direcionar melhor o paciente sobre onde ele pode retirar o fármaco. Já para usuários do SUS, Poder Judiciário e órgãos de controle, a padronização dá transparência sobre qual o órgão responsável por garantir a assistência farmacêutica, em casos de ações judiciais.

“Estamos transformando a Rename em uma ferramenta dinâmica, disponível para as pessoas. O que era um documento burocrático passa a ser um documento de informação para todos. E, tendo essa informação, evidentemente, as pessoas buscarão consolidar o seu direito de acesso a esses medicamentos”, disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Segundo ele, os medicamentos oncológicos e hospitalares reincluídos também passam a constar no Banco de Preços da Saúde (BPS), o que pode gerar uma economia para as contas públicas, já que o banco oferece informações qualificadas de preços praticados nas aquisições de medicamentos e produtos para a saúde.

 

Hoje é comemorado o dia do dentista

Comemore conosco os avanços da odontologia

No Brasil, o dia do dentista é comemorado em 25 de outubro. Através de uma portaria do Conselho Federal de Odontologia, a data passou a homenagear quem se dedica à profissão no Brasil.  Segundo a Associação Brasileira de Odontologia (ABO), o dentista não é responsável apenas pela saúde bucal da população, seu trabalho envolve, inclusive, a prevenção de outras doenças no organismo; trata dos problemas da gengiva, boca e ossos da face. Na verdade, ele cuida da saúde bucal como um todo, além da parte estética.

A profissão pode ser considerada uma arte com alto senso estético e apurada técnica, executada por um profissional que tem papel fundamental na qualidade da saúde. Quando de sua regularização, em 1629, por meio de carta régia, foi considerada exercício da arte dentária. Como atua em prevenção, tratamento e reabilitação das doenças bucais, pede conhecimento científico, experiência, tenacidade, muito estudo e constante reciclagem por parte dos profissionais da área.

Especialização

O maior investimento que o profissional da odontologia deve fazer é no seu constante desenvolvimento. Manter ativo um processo de aperfeiçoamento profissional, atualizando-se com as novas técnicas e materiais é uma forma segura de conseguir se destacar no mercado.

É importante ressaltar que programas de governo como o Programa Saúde da Família (PSF), as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e o Centro de Especialidades Odontológicas (CEOs) têm incorporado nos últimos anos um grande contingente de profissionais da odontologia, o que aumentou a oferta de empregos no setor público.

Há pouco mais de 10 anos a odontologia passou a ser um dos programas prioritários do Ministério da Saúde, o que se traduz em investimentos, gastos e custeio. Nos próximos anos, com certeza haverá uma maior demanda por esse profissional no setor público.

Tecnologia

A odontologia é atualmente uma das ciências que mais tiveram avanços. Isso faz com que muitas pessoas procurem os consultórios odontológicos para tratamentos que trazem resultados quase que imediatos pela tecnologia, precisão, perfeição rapidez, eficácia, beleza e naturalidade.  Dentre alguns avanços tecnológicos, destacam-se:

*Tecnologia CAD/CAM e Odontologia 3D (possibilitam a confecção de dentes previamente projetados em computador);

* Materiais utilizados em próteses (Podemos destacar a zircônia e a porcelana – que são brancas, muito resistentes e estéticas porque são livres de metais na estrutura);

* Cirurgia guiada (cirurgia para colocação de implantes que pode ser previamente simulada em computador com base em imagens de tomografia computadorizada);

* Enxertos ósseos (nos últimos anos foram desenvolvidos biomateriais de alta tecnologia para os procedimentos que necessitam de correção de falhas ósseas, principalmente para colocação de implantes dentários. Esses materiais foram desenvolvidos para minimizar rejeições e para acelerar a formação de novo tecido ósseo).

 

Repasse de R$ 9,4 milhões amplia exames para câncer de mama

 

Ministério da Saúde pretende realizar 200 mil mamografias e biópsias por ano. Diagnóstico precoce reduz mortalidade da doença

Para ampliar o acesso a exames de diagnóstico do câncer de mama pela rede pública, o Ministério da Saúde dobrou os valores repassados a esses procedimentos essenciais. Ao todo, serão investidos R$ 9,4 milhões por ano, que devem triplicar os exames realizados. Com a medida, a quantidade de exames anuais deve saltar de 69,3 mil para 200 mil. Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) recebe R$ 4 bilhões para o tratamento de pacientes com câncer, o que envolve cirurgias, iodo, quimio e radioterapia. Além do aumento no investimento, o Ministério da Saúde ainda adquiriu 100 aceleradores lineares, que são equipamentos essenciais para a radioterapia.

Diagnóstico

Para elevar as chances de cura dos pacientes, a meta é detectar a doença ainda no início. A investigação do possível tumor começa com a mamografia, cujo diagnóstico é confirmado com punções, biópsias e anatomopatológicos (avaliação de células em microscópio), que ajudam a definir o tratamento que será seguido.

De acordo com o Inca, a mamografia para rastrear o tumor é recomendada para mulheres com 50 a 69 anos de idade, a cada dois anos. O diagnóstico precoce começa em casa, com o autoexame, em que as mulheres precisam apalpar as mamas para identificar possíveis nódulos e alterações. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é de que 58 mil mulheres serão acometidas pelo câncer de mama neste ano.

É preciso estar atenta ao fatores de risco. Obesidade e sedentarismo aceleram a produção de hormônios e estão associados à doença, assim como histórico familiar em parentes de primeiro grau antes dos 50 anos.

Autoexame

O Inca orienta que as mulheres façam a observação e a autopalpação das mamas sempre que se sentirem confortáveis para tal, sem necessidade de uma técnica específica de autoexame ou de determinado período do mês.

Rede pública

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2016, foram realizados no Sistema Único de Saúde (SUS) 4,1 milhões de mamografias. A faixa etária prioritária, mulheres de 50 a 69 anos, representa a maior parte do atendimento: 2,55 milhões de exames. A rede pública de saúde oferece assistência integral aos pacientes com câncer, desde diagnóstico, tratamento, acompanhamento até oferta de medicamentos. Os recursos destinados a esse atendimento cresceram 49% entre 2010 e 2016, chegando a R$ 3 bilhões ano passado.

Para tratar o câncer de mama, o SUS oferece cirurgias oncológicas (mastectomia, conservadoras e reconstrução mamária), radioterapia e quimioterapia.

Dia do dentista será comemorado em 25 de outubro

A data celebra a importância do profissional que se dedica aos cuidados e saúde da boca humana, tratando desde cáries a problemas mais graves. O dia serve também, para conscientizar a sociedade da importância de manter uma boa higiene bucal.

Estamos na semana em que se comemora o dia nacional do dentista que coincide com a assinatura do decreto 9.311 que criou os primeiros cursos de graduação em odontologia no país, especificamente nos estados da Bahia e Rio de Janeiro. Através de uma portaria do Conselho Federal de Odontologia, a data passou a homenagear quem se dedica à profissão no Brasil.  Segundo a Associação Brasileira de Odontologia (ABO), o dentista não é responsável apenas pela saúde bucal da população. Seu trabalho envolve, inclusive, a prevenção de outras doenças no organismo; trata dos problemas da gengiva, boca e ossos da face. Na verdade, ele cuida da saúde bucal como um todo, além da parte estética.

Atuação
Dentre as funções, o profissional da área pode se especializar como clínico geral, cirurgião dentista (realiza cirurgias), endodontista (trata da polpa e da raiz dos dentes), implantodontia (pode fazer restaurações, obturações, projetar e instalar próteses e dentaduras, faz implante de próteses nos maxilares), estética (corrige a posição dos dentes e faz clareamento),  periodontista (trata as doenças da gengiva e dos ossos da boca), ortodontista (faz alterações estéticas, na mordedura e na posição dos dentes através do uso de aparelhos dentários), odontopediatria (cuida especificamente de doenças de crianças), traumatologia e cirurgia bucomaxilofacial (diagnostica e trata doenças, lesões e traumas na boca, maxilar e face).

Saúde bucal
Manter uma boca saudável é importante para o bem-estar geral das pessoas. Os cuidados diários preventivos, tais como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a evitar que os problemas dentários se tornem mais graves. Dentes saudáveis não só contribuem para que você tenha uma boa aparência, mas são também importantes para que possamos falar bem e mastigar corretamente os alimentos. É importante ter em mente que a prevenção é a maneira mais econômica, menos dolorosa e menos preocupante de se cuidar da saúde bucal e que ao se fazer prevenção, estamos evitando o tratamento de problemas que se tornariam graves. Existem algumas medidas muito simples que cada um de nós pode tomar para diminuir significativamente o risco do desenvolvimento de cáries, gengivite e outros problemas bucais:
*Escovar bem os dentes e usar o fio dental diariamente;
*Ingerir alimentos balanceados e evitar comer entre as principais refeições;
*Usar produtos de higiene bucal, inclusive creme dental, que contenham flúor;
*Usar enxaguante bucal com flúor, se seu dentista recomendar.
É importante ressaltar que a visita periódica ao dentista é recomendada para todas as fases da vida e há profissionais especializados no cuidado com a saúde bucal do paciente em todas as idades.

Dia Mundial de Combate à Osteoporose

O Dia Mundial da Osteoporose, celebrado em 20 de outubro, é uma data para chamar atenção para o problema que, segundo dados da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF), atinge cerca de dez milhões de pessoas no Brasil. Outro dado da IOF revela que de cada três pacientes que sofreram fratura no quadril, um tem o diagnóstico de osteoporose; e deste número, um em cada cinco, recebe algum tipo de tratamento. A Osteoporose é uma doença caracterizada pela diminuição de massa óssea, fazendo com que os ossos fiquem fracos e sensíveis com possibilidade de quebrarem aos mínimos esforços. Os ossos, além de promoverem sustentação ao nosso corpo, são o nosso deposito de cálcio, um mineral necessário para a execução de diversas funções como os batimentos cardíacos e a força muscular. É uma estrutura viva que está sendo sempre renovada. Essa remodelação acontece diariamente em todo o esqueleto, durante a vida inteira. Os locais mais comuns atingidos pela osteoporose são a espinha (vértebras), a bacia (fêmur), o punho (rádio) e braço (úmero).

Fatores

Há um conjunto de fatores que influenciam e favorecem o desenvolvimento de Osteoporose, entre eles, menopausa, envelhecimento, excesso de fumo e álcool e dieta pobre em cálcio. A prevenção da osteoporose que deve se iniciar na infância e mantida ao longo da vida, ocorre através de uma alimentação saudável, com boa quantidade de alimentos ricos em cálcio (especialmente presente nos leites e derivados). Além disto, deve-se proporcionar para a criança e o adolescente a possibilidade de brincadeiras e atividades ao ar livre. Isto não somente vai estimular o exercício físico que fortalece o esqueleto em crescimento, mas também possibilitar a exposição ao sol para que ocorra a produção de Vitamina D na pele.

Prevenção

Um fator importante para prevenção da Osteoporose é uma adequada exposição solar para a produção de vitamina D na pele, fundamental para a absorção do cálcio pelo seu organismo. Quanto a dieta, é fundamental que os pacientes com osteoporose adotem uma alimentação rica em cálcio, com uma ingestão media de 1200 mg desse mineral diariamente. Mesmo entre aqueles que já tem osteoporose, a prática regular de exercícios deve ser encorajada. É consenso que a adoção de hábitos como as caminhadas associadas à atividades que melhorem a força, flexibilidade e coordenação, são altamente recomendadas para a manutenção da saúde dos ossos.

Sugestões

Para atingir a ingestão recomendada de cálcio de maneira bem fácil:
Opção A: 2 copos de leite semidesnatado + 2 colheres de sopa de requeijão + 1 fatia de queijo minas.
Opção B: 1 copo de leite semidesnatado + 1 iogurte com 2 colheres de sopa de gergelim + ½ lata de sardinha + 2 folhas de couve.
Aqueles que não gostam de leite puro, a dica é bater com uma fruta. Pequenos detalhes podem aumentar a ingestão e melhorar a absorção de cálcio: não beba café, refrigerante ou chá junto com as refeições ricas em cálcio; salpique sobre a salada 1 colher de sopa de gergelim diariamente; nos lanches, use sempre uma fonte de cálcio – leite, iogurte, queijo branco.

 

Liminar que impedia enfermeiros de requisitar exames foi derrubada pelo TRF

O presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região acatou recurso contra a liminar da 20ª Vara Cível do Distrito Federal, que impedia a requisição de exames por enfermeiros, prejudicando o atendimento a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A liminar está suspensa até o julgamento do mérito do processo.

Recurso da Advocacia-Geral da União apontou que a liminar baseou-se em “premissas equivocadas” e representou “indevida ingerência do Poder Judiciário na execução da política pública de Atenção Básica do Sistema Único de Saúde”, gerando “grave lesão à ordem público-administrativa e à saúde pública”.

A solicitação de exames de rotina e complementares é realidade consolidada no Brasil desde 1997, quando foi editada a Resolução Cofen 195/97 (em vigor). A consulta de Enfermagem, o diagnóstico de Enfermagem e a prescrição de medicamentos em protocolos são competências dos enfermeiros estabelecidas na Lei 7.498/1986, regulamentada pelo Decreto 94.406/1987 e pela Portaria MS 2.436/2017.

A restrição imposta pela decisão liminar afetou o atendimento a milhares de brasileiros, atrasando ou inviabilizando exames essenciais, inclusive pré-natais, além de interromper protocolos da Estratégia de Saúde da Família, prejudicando programas como o acompanhamento de diabéticos e hipertensos (“hiperdia”), tuberculose, hanseníase, DST/Aids, dentre outros.

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) permanece firme na missão constitucional de regular e fiscalizar a profissão, e continuará tomando todas as medidas judiciais necessárias para salvaguardar o pleno atendimento à população.

“O bom-senso prevaleceu. Os profissionais de Enfermagem poderão continuar fazendo o que sabem e fazem bem: cuidar da Saúde das pessoas”, comemorou o presidente do Cofen, Manoel Neri. “É uma retumbante vitória da Enfermagem e do Sistema Único de Saúde”.

Leia aqui, a íntegra da decisão do TRF da 1ª Região.

 

Fonte: Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (CORENMA).

18 de outubro, dia do médico

No dia 18 de outubro é comemorado o dia do médico, um profissional responsável por cuidar e promover a saúde de toda a população. Essa data foi escolhida em referência ao dia de São Lucas, o santo padroeiro da Medicina. A medicina, sem dúvidas, é uma das áreas do conhecimento que exige maior comprometimento e responsabilidade por parte do profissional. Para ser um bom médico, é fundamental um investimento constante em aperfeiçoamento, ficando sempre informado a respeito das novas descobertas científicas, conhecendo novos tratamentos e exames, além de estar atento às novas doenças que surgem a todo tempo.

A profissão médica é importante porque garante a saúde da população, pois todos que atuam nesta área, se prepararam para isto. Dentre seus estudos estão a anatomia (o conhecimento do funcionamento do corpo humano), as doenças, como curar as doenças, como diagnosticar uma doença, como agem as medicações em nosso corpo, podendo desta forma, administrar em prol da sociedade, os melhores tratamentos possíveis. E por possuir estas e outras competências profissionais, o Doutor José Aparecido Valadão, se destaca e é considerado no estado do Maranhão, uma referência em intervenções cirúrgicas que envolvem a obesidade.

Dentre suas muitas especializações, o Dr. Valadão, como é mais conhecido por seus amigos e pacientes, atua como:

Médico Cirurgião Geral e do Aparelho Digestivo, Cirurgião Bariátrico e Metabólico, Mestre em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Membro titular CBC, Membro titular CBCD, Membro titular do Conselho Regional de Medicina (CRM), Membro titular SOBRACIL, Membro titular da IFSO, Médico e Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Chefe do serviço de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital São Domingos.

A Revista Saúde News Nordeste, parabeniza o Doutor Valadão e todos os demais médicos que se empenham no trabalho árduo que é salvar vidas!

Dieta x Exercício? Saiba o que emagrece mais

Uma pesquisa publicada no periódico “Obesity Reviews” analisou os resultados de 15 trabalhos diferentes. Todos mediram o efeito de atividades físicas (como caminhada e corrida), em pessoas que não fizeram mudanças nas suas dietas. Para quem subestima os exercícios físicos, as conclusões são desanimadoras. Na maioria dos resultados – que envolveram 657 pessoas e duraram de três a 64 semanas – a eliminação de peso foi menor do que a esperada.

Realmente, quando o assunto é agilizar o emagrecimento, a alimentação leva vantagem. Isso é pura matemática! A conta é simples: para eliminar 1 quilo de gordura corporal é necessário gastar cerca de 7 mil calorias, o que só é conquistado com um treinamento intenso de duração, em média, de 14 horas. Ou seja, é mais fácil não consumir, em fração de segundos, cinco biscoitos recheados com cerca de 400 calorias fechando a boca do que eliminá-las em 1 hora de corrida. Uma pessoa com sobrepeso pode consumir mais de 3.000 calorias por dia e um obeso chega a 5.000. Não tem como compensar isso com exercício. É preciso reduzir pelo menos 40% da ingestão de alimentos, pois é muito mais fácil cortar o consumo dessas calorias do que gastá-las suando a camisa. Vale ressaltar que o gasto de energia resultante do exercício não é o mesmo para todo mundo, varia a partir do condicionamento físico e as características pessoais de cada indivíduo (altura, peso, idade). Talvez um dos fatores para que não ocorra um emagrecimento relevante para quem faz somente exercício, é que a pessoa pode acabar compensando a eliminação de calorias comendo mais. Isso aconteceu em pelo menos dois artigos analisados.

Reeducação alimentar

É comum as pessoas subestimarem os efeitos da atividade física. As pessoas têm uma noção errada de que, se fazem exercícios, elas podem comer o que quiserem. Se você fizer uma hora de atividade e depois tomar uma cervejinha, já recuperou as calorias antes eliminadas. Uma hora de caminhada por dia muda indicadores de saúde, mas não necessariamente faz emagrecer. Para gastar 500 calorias (meta diária de quem quer perder meio quilo por semana) é preciso fazer uma hora de atividade de alto impacto, como uma aula de spinning. O esforço pode ir embora com dois pedaços de pizza.

O maior problema da obesidade é o sedentarismo. A alimentação tornou-se importante porque hoje, o gasto calórico médio da população é ínfimo. Dietas sem atividade física são insustentáveis e, em longo prazo, acabam em efeito sanfona. Diversos estudos indicam que fazer DIETA ENGORDA (isso mesmo). O ideal é fazer reeducação alimentar, que é completamente diferente. Quando você faz só a restrição alimentar, tem que comer cada vez menos para continuar eliminando peso. Com o emagrecimento, o metabolismo vai ficando mais lento porque fazendo somente dieta a pessoa elimina, além de gordura, massa muscular. Mais importante do que eliminar peso é mudar a composição corporal. Emagrecer é diminuir a quantidade de gordura corporal, não só eliminar quilos. Quem treina pode até ganhar uns quilos porque há um ganho de músculo, que é mais pesado que a gordura. Lembre-se que os ganhos da atividade física na saúde são mais importantes do que a diminuição de um número na balança. Portanto, combinar reeducação alimentar com exercícios físicos é a forma mais saudável de emagrecer. Mas se você ainda não se convenceu, vamos aos números: para eliminar 1 quilo por semana apenas com dieta é necessário cortar cerca de 1000 calorias por dia da alimentação. Agora, se a opção for fazer exercícios, você vai ter que gastar 1000 calorias a mais por dia.