18 de outubro, dia do médico

Share

No dia 18 de outubro é comemorado o dia do médico, um profissional responsável por cuidar e promover a saúde de toda a população. Essa data foi escolhida em referência ao dia de São Lucas, o santo padroeiro da Medicina. A medicina, sem dúvidas, é uma das áreas do conhecimento que exige maior comprometimento e responsabilidade por parte do profissional. Para ser um bom médico, é fundamental um investimento constante em aperfeiçoamento, ficando sempre informado a respeito das novas descobertas científicas, conhecendo novos tratamentos e exames, além de estar atento às novas doenças que surgem a todo tempo.

A profissão médica é importante porque garante a saúde da população, pois todos que atuam nesta área, se prepararam para isto. Dentre seus estudos estão a anatomia (o conhecimento do funcionamento do corpo humano), as doenças, como curar as doenças, como diagnosticar uma doença, como agem as medicações em nosso corpo, podendo desta forma, administrar em prol da sociedade, os melhores tratamentos possíveis. E por possuir estas e outras competências profissionais, o Doutor José Aparecido Valadão, se destaca e é considerado no estado do Maranhão, uma referência em intervenções cirúrgicas que envolvem a obesidade.

Dentre suas muitas especializações, o Dr. Valadão, como é mais conhecido por seus amigos e pacientes, atua como:

Médico Cirurgião Geral e do Aparelho Digestivo, Cirurgião Bariátrico e Metabólico, Mestre em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Membro titular CBC, Membro titular CBCD, Membro titular do Conselho Regional de Medicina (CRM), Membro titular SOBRACIL, Membro titular da IFSO, Médico e Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Chefe do serviço de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital São Domingos.

A Revista Saúde News Nordeste, parabeniza o Doutor Valadão e todos os demais médicos que se empenham no trabalho árduo que é salvar vidas!

A saúde em São Luís traduzida por um cirurgião geral

Share

A saúde em São Luís (MA) está longe de ser referência, mas há resultados, embora tímidos, a serem destacados. O esvaziamento dos corredores dos principais hospitais de urgência e emergência do município é um dos pontos a serem contabilizados. Mas, a falta de investimento é a grande preocupação dos profissionais médicos. Esses e outros assuntos são abordados na entrevista com o Cirurgião Geral Kleber Araújo.
“Aqui em São Luís temos ótimos profissionais atendendo nos hospitais públicos e privados respectivamente” ressalta Kleber ao explicar que, geralmente, os médicos em São Luís atuam nas duas esferas – não deixando nada a desejar no atendimento da saúde no município. O problema é a estrutura!
Kleber Araújo é Coordenador de Cirurgia Geral do Hospital Djalma Marques, o Socorrão I, Médico Estatutário do Hospital Clementino Moura, o Socorrão II, e integra a equipe do SCOAD – Serviço de Cirurgia da Obesidade e do Aparelho Digestivo.

CIRURGIA ELETIVA

A entrevista à Revista Saúde News começou abordando sobre a Cirurgia Eletiva – aquela em que se consegue escolher a melhor data para ser realizada o procedimento. Quando, geralmente, a cirurgia é realizada após diversos exames, que são feitos para obter as melhores condições de saúde de saúde do paciente.
“No que tange as cirurgias eletivas o setor público tem nota 06, pois temos poucos locais para realização desses procedimentos, tanto por parte da União, Estado e Município, ocasionando uma fila de espera que só aumenta. O setor privado ainda atende a crescente demanda de pacientes; mas carecemos de mais hospitais privados para um melhor atendimento e fluxo desses pacientes; nota 8,5”, disse ele.

INVESTIMENTOS

Segundo o cirurgião, a saída para acabar com as filas de espera para procedimentos cirúrgicos em São Luís é investir no setor.
“Investimentos em espaços físicos (Hospitais), de média e alta complexidade para atender o grande volume de situações que são de caráter cirúrgico, evitando o aumento nas filas de espera para cirurgias”, ressaltou.

ATENDIMENTO

A Saúde foi descentralizada para dar mais atenção à doenças especificas e desafogar centros especializados de alta complexidade de casos de menor urgência ou de fácil resolução. Dessa forma, passou a ser a nível Primário, Secundário e Terciário, com alguns hospitais já se enquadrando como de nível Quaternário.

O PROJETO

Quando questionado sobre estes atendimentos em São Luís, Kleber Araújo destaca que a realidade está bem distante do projeto:
“No papel esse formato de atendimento é perfeito. A realidade é outra, pela crise institucional, financeira, limitações culturais, sociais e intelectuais, de locomoção, ausência de insumos básicos no setor público, sendo assim, o atendimento primário tem pouca eficiência no sentido de evitar a agudização de doenças crônicas (HAS, DM). O atendimento secundário não se sustenta devido à falta de investimento e incentivo para treinamento e qualificação profissional. Nesse sentido, esse atendimento acaba sendo finalizado e direcionado para hospitais terciários de grande resolutividade e volumosa demanda, fazendo aumentar o fluxo de pacientes, internações e o tempo de permanência hospitalar”.
Para constatar o que o cirurgião disse basta procurar atendimento de emergência em qualquer hospital (público ou privado) em São Luís

NÍVEIS DE ATENDIMENTO
No Nível Primário, estão as Unidades Básicas de Saúde, ou Postos de Saúde, onde se configura a porta de entrada do Sistema Único de Saúde. Nesse nível de atenção são marcados exames e consultas além da realização de procedimentos básicos como troca de curativos.
No Nível Secundário, as clínicas e unidades de pronto atendimento. Nesses são realizados procedimentos de intervenção bem como tratamentos a casos crônicos e agudos de doenças.
No Nível Terciário, estão os hospitais de grande porte (público ou privado). Onde são realizadas manobras mais invasivas e de maior risco à vida, bem como são realizadas condutas de manutenção dos sinais vitais, como suporte básico à vida. Nesses hospitais, também podem funcionar serviços Quaternários, de transplante de tecidos, como Pulmão, Coração, Fígado, Rins, dentre outros.

CIRURGIA GERAL

Cirurgia geral é a especialidade médica cuja área de atuação compreende: Cirurgia Abdominal, Cirurgia videolaparoscópica e Cirurgia do trauma. Esta especialidade médica ocupa-se do estudo dos mecanismo fisiopatológico, diagnóstico e tratamento de enfermidades passíveis de abordagem por procedimentos cirúrgicos.
“O Maranhão possui demanda cirúrgicas amplas, características do grande número de patologias. Na cirurgia geral continuamos com fila de espera crescente, pela baixa resolutividade em virtude do limitado numérico de locais para realização desses procedimentos no âmbito Federal, Estadual e Municipal”, reclamou o nosso entrevistado.

ENTREVISTA

A seguir, acompanhe na íntegra a entrevista de Dr Klaber Araújo sobre demandas que envolvem sua especialidade.

SAÚDE NEWS – Quais doenças do aparelho digestivo são mais comuns e quais as consequências se não forem tratadas de maneira correta?
KLEBER ARAÚJO – O aparelho digestivo possui uma vasta gama de patologias cirúrgicas relacionadas ou não a situações de urgência/emergência, com potenciais fatores de complicação, e piora do paciente caso não tratado. As situações mais comuns da urgência/emergência estão relacionadas ao abdome agudo: inflamatório, obstrutivo, perfurativo, vascular, hemorrágico. Ex: Apendicite aguda; Obstrução intestinal; Ulcera péptica perfurado; Infarto mesentérico; Prenhez tubária rota. Nas patologias não caracterizadas como urgência/emergência situam-se entre as principais: as colecistopatias calculosas ou não; hérnias de parede abdominal, obesidade e os tumores benignos ou malignos.

Sobre o Câncer, como se prevenir?
Além das características inerentes ao indivíduo pela sua carga hereditária, doenças pré-existentes, a melhora dos hábitos de vida: tabagismo, etilismo, educação e formação alimentar são medidas que sempre serão de primeira linha para evitar o câncer. Além do fato de procurar a orientação de profissionais de saúde precocemente afim de realizar avaliações frequente e check up direcionadas para o sexo masculino e feminino. Exemplos a serem citados: Endoscopia Digestiva Alta, Colonoscopia, Tomografia de Tórax e abdome, Mamografia. Etc…

Como a tecnologia favorece a cirurgia?
Mais uma arma no arsenal terapêutico diminuindo a resposta endócrino, metabólica e imunológica ao trauma cirúrgico, assim como diminuindo o tempo de internação hospitalar com dieta e alta precoce. No ato cirúrgico revoluciona o dano tecidual mínimo, o controle de sangramento com selamentos firmes e seguros de grandes e pequenos vasos, além de anastomoses mecânicas rápidas e seguras. Tudo isso diminui o tempo cirúrgico e a exposição do indivíduo ao processo anestésico, facilitando em caso de anestesia geral sua extubação e analgesia.

As pessoas costumam se automedicar, um dos sintomas mais comuns é a azia e o uso de medicamentos como omeprazol. Quais os males que o uso frequente desses medicamentos pode causar?
A azia (Pirose), é um dos sintomas mais comuns da Síndrome Dispéptica (Dispepsia), e está relacionado a fatores morfo funcionais do esôfago e estômago, além da sensibilidade que cada indivíduo possui ao realizar sua ingestão alimentar. O Omeprazol foi o 1° IBP (Inibidor da Bomba de Prótons), revolucionou o tratamento das dispepsias e gastrites, entre os males frequentes que esse medicamento pode ocasionar ao seu uso a longo prazo está a acloridria (Diminuição da secreção do ácido clorídrico), fazendo com que haja uma diminuição do potencial de digestão gástrica e retardo dos esvaziamentos do conteúdo do estomago, favorecendo a fixação do Helicobacter Pylori e diminuindo o tecido gástrico que forma as glândulas secretoras.

Sobre a obesidade, quais os cuidados a tomar desde a infância?
A obesidade como doença possui um caráter sindrômico, endêmico que afeta todas as classes sociais e está relacionado a aspectos familiares e hereditários, doenças pré – existentes, onde o indivíduo necessita fazer uso de fármacos que aumentam a retenção de líquidos e diminuem o metabolismo. O consumo frequente e abusivo de grande quantidade de carboidratos, doces, biscoitos, refrigerantes, fast food, o sedentarismo cada vez mais precoce com a falta de exercícios e a inaptidão para realiza-los. Necessita haver uma modificação de hábitos alimentares, reeducação familiar no sentido de estimular a atividade física precoce, o baixo consumo de carboidratos e doces, aumentar a ingestão de fibras alimentares: verduras, legumes e grãos.

MELHORIAS RECENTES NA SAÚDE PÚBLICA DE SÃO LUÍS
SOCORRÃO I – Ganhou mais dez leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), agora somam 20 leitos
SOCORRÃO II – O Hospital Clementino Moura foi credenciado junto ao Ministério da Saúde como unidades de referência em alta complexidade nas áreas de ortopedia e traumatologia e de neurologia, respectivamente. O governo federal qualifica os municípios de São Luís para intensificar e ampliar os serviços, a partir da inclusão, no orçamento do Ministério da Saúde, da realização de serviços complexos de traumato-ortopedia. Antes, esse atendimento era realizado com recursos próprios pelo hospital. Mensalmente, a equipe médica do Socorrão II atende na emergência ortopédica mais de 600 pacientes, provenientes da capital e do interior do Estado, e realiza cerca de 300 cirurgias.
HOSPITAL DA MULHER – Também foi credenciado junto ao Ministério da Saúde. Localizado no bairro do Anjo da Guarda, o hospital teve o serviço de neurologia, passando a realizar procedimentos cirúrgicos em aneurismas, tumores e traumas raquimedulares, entre outros serviços na área.
UNIDADES DE SAÚDE – Foram reformadas 14 Unidades de Saúde e outras 10 receberam intervenções de manutenção.
SAMU – O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi descentralizado e motivou o aumento em 62% o volume de atendimento. Agora são cinco pontos de apoio.
CONSULTAS – A Central de Marcação de Consultas também foi descentralizada e passou a ter 25 unidades.